Qual o tipo de tratamento para piscina é a primeira dúvida que surge quando decidimos ter uma piscina. Essa preocupação surge não somente por conta do visual, que claro, faz a piscina ser mais atrativa,  mas principalmente porque, uma piscina suja e com água contaminada, favorece a proliferação de bactérias, fungos e vírus, podendo acarretar em diversos problemas de saúde para os usuários.
Pensando na estética e na saúde iremos apresentar a vocês três tipos de tratamentos muito utilizados.

1- Cloro

O tratamento para piscina com cloro é o mais usado aqui no país. Por ter a capacidade de desinfecção da água, por meio de uma reação química, o cloro elimina bactérias, vírus e fungos, assim, evita que microrganismos causem doenças, como por exemplo, a micose. 
Esse primeiro tratamento, funciona de uma forma bem simples, mas exige alguns cuidados, como por exemplo, aferir diariamente a qualidade da água, principalmente em dias quentes.
Uma das principais vantagens de utilizar essa forma de tratamento, é a eficiência que o produto tem ao eliminar microrganismos prejudiciais à saúde, o baixo custo, além de ser um produto compatível com os equipamentos disponíveis no mercado.
Apesar de tantas vantagens, vale ressaltar que o cloro pode causar alergias em algumas pessoas, resseca a pele e os cabelos e muitas vezes causar irritação nos olhos. Por ter um efeito com pouca durabilidade, deve ser repetido com frequência, além de impedir o uso quando for tratada.

2- Ozônio

Outro tratamento bastante conhecido é o ozônio e é considerado um dos mais eficientes e ecologicamente corretos. É um gás natural, que protege os seres vivos, como um filtro e destrói microrganismos presentes na água 3.120 vezes mais rápido que o cloro e não causa alergias.
O tratamento é realizado por um gerador de ozônio que é instalado na rede de circulação de água, transformando o oxigênio da água em ozônio, consequentemente, o gás chegará até a piscina promovendo a desinfecção da água.
Além de não causar alergias, o uso do ozônio, reduz os casos de inflamações nos ouvidos. Por ser um processo automático, a qualidade da água sempre estará próxima da ideal, não sendo necessário o uso de outros tratamentos. Será muito mais agradável o uso, pois não tem cheiro e não resseca a pele e os cabelos.
Para ter esse tipo de tratamento na sua piscina, será necessário desembolsar um valor maior do que as demais opções, além de só funcionar com energia elétrica.

3- Salinização

Todo mundo sabe das propriedades antissépticas dos sal e desde os anos 90, o tratamento para piscina com sal se popularizou, principalmente para evitar alergias causadas pelo cloro.
Muitas pessoas acreditam que ao iniciar esse tratamento, a piscina ficará parecida com a água do mar, mas a quantidade de sal será 10 vezes menor que do mar.
Por meio de um equipamento de célula eletrolítica instalado na piscina é produzido um cloro natural através de um processo conhecido como eletrólise e esse cloro natural acaba sendo menos prejudicial que o cloro industrializado.
Esse tipo de tratamento traz várias vantagens, como por exemplo, a redução do uso de componentes químicos tóxicos, por ter um funcionamento de autolimpeza, requer muito menos manutenção que a piscina de cloro, o custo é pelo menos 50% menor para a manutenção, além de ser muito mais agradável, pois não causa alergias e irritações.
É necessário saber que caso essa seja a sua escolha, com esse tipo de tratamento, a bomba tem de estar constantemente ligada, podendo aumentar os gastos com energia elétrica. Outra desvantagem é que pelo fato do sal ser uma substância corrosiva, pode danificar as áreas de metal e a sua superfície. E embora a manutenção seja mais barata, o investimento inicial será mais elevado do que de uma piscina comum.

Para todos os tipos de piscina, recomenda-se o uso de capas para piscina, pois elas evitam folhas e sujeiras, trazendo maior economia no tratamento para piscina ou reabastecimento de água.